O ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DA PISCICULTURA NA REGIÃO DE CAPITÃO POÇO/PA: BASES PARA A CONSOLIDAÇÃO

Marcos Ferreira Brabo, Daércio José de Macedo Ribeiro Paixão, Max Wendel Milhomem Costa, Gerfeson Almeida da Silva, Daniel Abreu Vasconcelos Campelo, Galileu Crovatto Veras

Resumo


A piscicultura continental é praticada em todos os 144 municípios do estado do Pará, sendo desenvolvida principalmente em empreendimentos de pequeno porte que adotam açudes particulares ou viveiros escavados como estruturas de criação. Dentre as mesorregiões paraenses, o Nordeste concentra o maior número de projetos, possui alguns dos principais fornecedores de insumos básicos e apresenta um mercado consumidor relativamente consolidado para peixes produzidos em cativeiro, condições que viabilizaram a formação de alguns arranjos produtivos locais de piscicultura, mesmo que incipientes. O objetivo deste estudo foi caracterizar o arranjo produtivo local da piscicultura na região de Capitão Poço, Nordeste paraense. Foram aplicados 30 questionários à piscicultores e efetuadas 15 entrevistas com extensionistas rurais, analistas ambientais, atacadistas, varejistas e consumidores dos municípios de Capitão Poço e Ourém, no período de fevereiro de 2016 a janeiro de 2017. Constatou-se que a maioria dos produtores praticava a piscicultura em viveiros escavados (96,7%), com destaque para as criações de tambaqui Colossoma macropomum (56,7%), tilápia Oreochromis niloticus (33,3%) e piauçu Leporinus macrocephalus (33,3%). Os empreendimentos eram predominantemente comerciais (66,7%), os demais tinham como finalidade a subsistência e venda do excedente. Todos os produtores usavam exclusivamente rações comerciais, porém apenas 13,3% realizavam biometrias periodicamente. A comercialização ocorria na própria piscicultura em 90% dos casos, 6,7% vendia em restaurantes e 3,3% na feira livre. Dentre os maiores problemas citados pelos piscicultores estavam: elevado preço das rações comerciais, furtos de peixes e equipamentos, enfermidades nos peixes, burocracia no acesso ao crédito rural e dificuldade de regularização da atividade junto aos órgãos competentes. Concluiu-se que o alto custo de produção, a ineficiência no manejo e a baixa cooperação entre os empreendimentos são os principais fatores limitantes para o desenvolvimento da piscicultura, porém a vocação agropecuária, a expansão recente da atividade e o mercado consumidor são potencialidades regionais a serem exploradas.

Palavras-chave


Aquicultura, Competitividade, Criação de peixes, Estado do Pará, Nordeste paraense

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18817/repesca.v10i2.1313

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


Catálogos, Portais, Bases Bibliográficas, Índices e Sistemas de Indexação http://sumarios.org/sites/default/files/zeropoint_logo.png https://www.abecbrasil.org.br/novo/wp-content/uploads/2015/09/Banner-com-movimento-de-entrada-de-seta.gif