BIOLOGIA DO SIRI-AZUL NO MUNICÍPIO DE CAUCAIA, CEARÁ

  • Daniele Menezes Albuquerque Universidade Federal da Grande Dourados
  • Ênio Nunes dos Santos Universidade Federal do Ceará
  • Janaina Graça de Oliveira Carvalho Universidade Federal da Grande Dourados
  • Masayoshi Ogawa Ogawa Universidade Federal do Ceará

Resumo

Na região da Área de Proteção Ambiental do estuário do rio Ceará, existe uma grande biomassa da espécie Callinectes danae (Smith, 1869), conhecido como siri azul, entretanto a bibliografia existente sobre a espécie na costa do Ceará é escassa. Com o objetivo de aumentar o conhecimento sobre o estoque do siri azul no estuário do rio Ceará foi proposta a realização deste estudo sobre a abundância, proporção sexual, proporção entre os estágios de vida e maturação sexual. Foram capturados 2.543 exemplares do gênero Callinectes, sendo quase sua totalidade da espécie Callinectes danae. Os animais foram contados e classificados por espécie, sexo, estágio de maturação sexual, largura (LC) e comprimento (CC) da carapaça e peso úmido (P). Para o C. danae foi verificado uma maior proporção de machos em relação às fêmeas. Nos machos a largura média da carapaça foi 4,42 ± 1,44 cm, variando de 1,36 a 8,92 cm e nas fêmeas foi 4,18 ± 0,99 cm, oscilando de 1,92 a 9,20 cm. A relação peso úmido/largura da carapaça para indivíduos machos foi representada pela equação P = 0,139LC2,906 e para as fêmeas esta relação foi representada pela equação P = 0,121LC2,958. A maturidade fisiológica dos machos foi estimada com um L50% de 6,48 cm e das fêmeas foi estimada com um L50% de 5,93 cm. Conclui-se que no estuário do rio Ceará há uma grande proporção de jovens de C. danae em relação a adultos, demonstrando que o estuário do rio Ceará é uma importante área de recrutamento para a espécie.

Biografia do Autor

Daniele Menezes Albuquerque, Universidade Federal da Grande Dourados
Faculdade de Ciências Agrárias, Aquicultura continental.
Ênio Nunes dos Santos, Universidade Federal do Ceará
Departamento de Engenharia de Pesca, Aquicultura.
Janaina Graça de Oliveira Carvalho, Universidade Federal da Grande Dourados
Curso de Engenharia de Aquicultura, Aquicultura continental
Masayoshi Ogawa Ogawa, Universidade Federal do Ceará
Departamento de Engenharia de Pesca, Aquicultura.
Publicado
2019-10-11
Seção
Artigos