MÁRIO DE CARVALHO E A SUBVERSÃO DO ESPAÇO: O SER-ESTAR-NO-MUNDO EM “UM DEUS PASSEANDO PELA BRISA DA TARDE”

Palavras-chave: Mário de Carvalho - Um deus passeando pela brisa da tarde - perspectiva espacial.

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo o estudo analítico do romance Um deus passeando pela brisa da tarde, do premiado escritor português contemporâneo Mário de Carvalho, sob o lume da perspectiva espacial, na sua relação intrínseca com o tempo. Importa considerar o caráter subversivo da narrativa no tocante a essa abordagem, haja vista a presença conflitante da cidade de Tarcisis na vida profissional e afetiva do narrador-personagem Lúcio. Em tom memorialístico, Lúcio tenta relatar, de modo claro e imaginativo, seus conflitos com os valores romanos e com o advento do cristianismo emergente, em plena decadência do Império Romano. Serão fundamentais para essa análise os pressupostos teóricos da Geografia Humanista Cultural a partir dos estudos dos geógrafos Eric Dardel, Yi-Fu Tuan e Edward Relph, bem como as reflexões críticas acerca da produção do autor, tecidas por Natália Constâncio, Virgínia Soares Pereira e Osvaldo Manuel Silvestre.

Biografia do Autor

Márcia Manir Miguel Feitosa, Universidade Federal do Maranhão
Departamento de Letras. Área: Literaturas de Língua Portuguesa
Publicado
2019-12-18