A ORIENTAÇÃO SOCIAL-POLÍTICA DA PALAVRA: REFLEXÕES SOBRE A ESCOLA SEM PARTIDO

José Veranildo Lopes da Costa Junior, Maria do Socorro Maia Fernandes Barbosa

Resumo


Este artigo propõe uma revisão teórica sobre a orientação social-política da palavra, partindo da tese de que nenhum discurso é neutro (BAKHTIN, 1995) e que, portanto, todo discurso é social-político e ideologicamente localizado. Para tanto, nos ancoramos em dois textos fundamentais para os estudos linguísticos e discursivos: Bakhtin (1995) e Volochínov (2013), para traçar um paralelo comparativo sobre o modo pelo qual estes dois autores concebem a orientação social-política da palavra. Para fins de aplicação analítica, buscamos aproximar esta revisão teórica do projeto Escola sem Partido, proposta de natureza política que busca limitar a liberdade de ensinar, e obstruir o pensamento crítico e reflexivo. Como resultado de nossas análises, enfatizamos que: a) Bakhtin (1995) e Volochínov (2013) concebem a linguagem como signo ideológico, ou seja, é na palavra que exprimimos as nossas vivências e o modo pelo qual lemos o mundo e b) sinalizamos para a incoerência do Escola sem Partido pela inexistência de um discurso neutro, pois o próprio projeto em questão é um exemplo ideológico e político de como os professores devem se portar em sala de aula. Por fim, como conclusões, argumentamos que o Escola sem Partido é um projeto político, dado que nenhum discurso é neutro e que os princípios propagados por este movimento ferem a autonomia docente e criminalizam o pensamento reflexivo e crítico em sala de aula. 


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18817/rlj.v1i2.1454

Apontamentos

  • N?o h? apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Universidade Estadual do Maranhão - UEMA

Campus Caxias

Departamento de Letras 

ISSN - 2527-1024