YNARI E O PODER EVOCATIVO DAS PALAVRAS: A GUERRA CIVIL EM ANGOLA NO CONTO DE ONDJAKI

Resumo

RESUMO: Ambientado num contexto de guerra civil pós-independência angolana, o presente trabalho tem por objetivo a análise do conto Ynari: a menina de cinco tranças, do escritor Ondjaki. Com bastante desenvoltura, somos colocados diante de uma narrativa simples, mas grandiosa em seu conteúdo. Ynari, nossa protagonista, é uma menina que gostava de passear perto de sua aldeia, ouvir os pássaros e sentar-se na margem do rio. Certo dia, em uma dessas andanças, encontrou um pequeno homem saído do capim. O elemento fabular aqui se encontra presente e nos leva a vermos a guerra pelo controle da nação renascida pelos olhos de uma criança. Para teorizar serão abordadas as teorias de Bruno Bettelheim, Robert Darnton e Elias Canetti.

Palavras-chave: conto fabular; literatura angolana; guerra civil;

Biografia do Autor

Pietro Gabriel dos Santos Pacheco, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Mestrando em Teoria da Literatura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Especializado em Literatura Brasileira pela PUCRS. Graduado em Licenciatura Plena no curso de História pela PUCRS.

Referências

BETTELHEIM, Bruno. A psicanálise dos contos de fadas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

CANDIDO, Antônio. O Direito à Literatura. In: ______. Vários Escritos. 3ªed. São Paulo: Duas Cidades, 1995.

CANETTI, Elias. A consciência das palavras. São Paulo: Companhia de Bolso, 2011.

DARNTON, Robert. O grande massacre de gatos: e outros episódios da história cultural francesa. São Paulo: Graal, 2011.

ONDJAKI, Ndalu de Almeida. Ynari: a menina de cinco tranças. Conto. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

MENEZES, Solival. Mamma Angola: Sociedade e Economia de um País Nascente. São Paulo: Edusp, 2000.

PEARCE, Justin. A guerra nas cidades. In A guerra civil em Angola 1975-2002. Lisboa: Tinta da China, 2017, p. 189-215.

REZOLA, Maria Inácia. Do romantismo revolucionário à política real: a Revolução Portuguesa de 1974-1975. In GONÇALVES, Leandro Pereira; PAREDES, Marçal de Menezes. Depois dos Cravos: Liberdades e independências. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2017.

RIBEIRO, Antônio Souza; RIBEIRO, Margarita Calafate. Geometrias da Memória: Configurações Pós-coloniais.InRIBEIRO, Antônio Souza; RIBEIRO, Margarita Calafate (orgs.). Geometrias da Memória: Configurações Pós-coloniais. Porto: Afrontamento, 2016.

SCHUBERT, Joe. 2013. Democratização e consolidação do poder político em Angola no pós-guerra. Disponível em:http://www.scielo.mec.pt/pdf/ri/n37/n37a07.pdf. Acesso em: 03 de junho de 2018.

SECCO, Lincoln. Trinta anos da Revolução dos Cravos in Revista Adusp, 33 ed. São Paulo: USP. Outubro de 2004.

SILVA, Ana Cláudia da. A Resistência da poesia angolana na Literatura InfantoJuvenil de Ondjaki, Volume 1, Número 1. Anais do CENA Uberlândia: EDUFU, 2013, p. 329.

Publicado
2019-08-15