PROCESSOS DE LEGITIMAÇÃO DE UMA POÉTICA JUVENIL PARA ALÉM DO PAPEL: UMA LEITURA DE MURUNDUM, DE CHACAL

  • Érica Alessandra Paiva Rosa Universidade Estadual de Maringá (UEM) Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Letras, área de Estudos Literários

Resumo

Este artigo promove uma leitura da obra Murundum (2012), do escritor brasileiro Chacal, buscando analisar os processos de legitimação de uma poética juvenil na atualidade. O trabalho discute os percursos da literatura como obra de arte e a formação de um campo específico da literatura juvenil por meio de Bourdieu (2007), além dos processos de legitimação desse campo a partir de Ferrier (2009). O trabalho também apresenta uma leitura do livro considerando o autor, o projeto editorial, a linguagem e as temáticas abordadas nos poemas. De acordo com as características identificadas em Murundum, nota-se uma tentativa de legitimar uma poética juvenil por meio da produção de um autor experiente e de uma obra com uma abordagem crítica de assuntos que influenciam no processo de amadurecimento dos leitores jovens.

Palavras-chave: Literatura Juvenil. Poesia Marginal. Indústria Cultural.

Biografia do Autor

Érica Alessandra Paiva Rosa, Universidade Estadual de Maringá (UEM) Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Letras, área de Estudos Literários

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Letras (UEM), área de Estudos Literários. Realiza pesquisas sobre literatura contemporânea com interesse em poesia e nas representações identitárias promovidas pela literatura.   

Referências

AMORIM, Galeno (org.) Retratos da leitura no Brasil. São Paulo: Imprensa Oficial – Instituto Pró-livro, 2008, 2. ed.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva. 2007, 6. ed.

CANDIDO, Antonio. Literatura e Sociedade. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2006.

CHACAL. Murundum. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

______. Uma história à margem. Rio de Janeiro: 7Letras, 2010.

FAILLA, Zoara (org.). Retratos da leitura no Brasil. Rio de Janeiro: Sextante, 2012, 3. ed.

______. Retratos da leitura no Brasil. Rio de Janeiro: Sextante, 2016, 4. ed.

FERRIER, Bertrand. Les processus de legitimation de la littérature pour la jeunesse: mécanisme, signes et limites. 2009. Disponível em: <http://litterature20.parissorbonne.fr/images/site/20091203_160212ferrier_litterature_jeunesse.pdf>. Acesso em: 25 set. 2018.

HORKHEIMER, Max; ADORNO, Theodor. A indústria cultural: o iluminismo como mistificação de massas. In: LIMA, Luiz Costa. Teoria da cultura de massa. São Paulo: Paz e Terra, 2002, p. 169-214.

INSTITUTO PRÓ LIVRO. O jovem não gosta de ler ou não foi seduzido para a leitura?, 2014. Disponível em: <http://prolivro.org.br/home/newsletter/noticias/7863-o-jovem-nao-gosta-de-ler-ou-nao-foi-seduzido-para-a-leitura>. Acesso em: 22 ago. 2018.

PAZ, Octávio. O Arco e a Lira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

PESSÔA, André V. et al. Chacal: “o resto é verso”. Entrevista. Fórum de Literatura Brasileira Contemporânea. Rio de Janeiro: UFRJ, Faculdade de Letras: Baluarte, 15, p. 153-159, jun. 2016.

WELLERSHOFF, Dieter. Literatura, mercado e indústria cultural. In: HUMBOLD. Hamburgo: 22: 44-8, 1970.

Publicado
2019-08-15