NEGRITUDE EM TEMPOS DE SEGREGAÇÃO: ANÁLISE SEMIÓTICA DE MELANCTHA (1983), DE GERTRUDE STEIN

Resumo

O presente trabalho resulta de um projeto de pesquisa que visa analisar, sob a perspectiva discursiva, uma novela da obra Três Vidas, da escritora norte-americana Gertrude Stein. Para isso, foi selecionado o conto Melanctha (1983), título homônimo à protagonista. O objetivo da pesquisa é compreender como a obra segmenta os seus personagens por meio de atributos designados a cada um deles a partir de sua etnia. A fundamentação teórica será norteada através da articulação de um diálogo entre os estudos culturais, como Woodward (2000) e teorias feministas de Bell Hooks (1981;2000) e Angela Davis (1982). Para a análise, mobilizamos as contribuições da teoria semiótica nos trabalhos de Barros (2005) e Fiorin (2008). Privilegia-se na análise o modo como a personagem é figurativizada, considerando os recursos sintáticos e semânticos mobilizados pelo enunciador. A transitoriedade que Melanctha realiza entre os supostos benefícios que a sua pele mais clara oferece e a busca constante pela aceitação da comunidade negra na qual vive é o que evidencia o limbo étnico, o entre-lugar, que preenche o cotidiano da protagonista. Como resultados finais, compreendemos que seus personagens não possuem apenas estereótipos raciais que remetem à situação escrava que perpetrou leis e costumes segregacionistas entre os cidadãos, mas, também, utilizou-se de representações pós-escravidão em que foram submetidos negros e negras pela população branca, expondo-os a situações tão revoltantes e subumanas quanto à escravidão que viveram outrora.

Biografia do Autor

Yasmine Louro, UFT
Mestranda em Teoria, Crítica e Comparatismo pela Universidade Federal do Tocantins. Graduanda em Letras Licenciatura em Língua Portuguesa, Língua Inglesa e Licenciaturas pela Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão.
Diana Barreto Costa, UEMASUL

Professora Adjunta III, na Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão - UEMASUL, no Curso de Letras Licenciatura em Português, Inglês e Literaturas, no Centro de Ciências Humanas, Sociais e Letras, do Campus Imperatriz/MA.

Referências

AGA, Gisele; MARTÍNEZ, Vicente. Time to share, 6. Saraiva: Saraiva, 2015.

BALBINOT, Márcio; RICHTER, Marcos Gustavo. A abordagem comunicativa na aquisição de língua escrita. Linguagem e Cidadania, Curitiba, v. 6, n. 1, p.1-3, 12 jan. 2001. Anual. Disponível em: <http://coral.ufsm.br/lec/02_01/MarcioLC6.htm>. Acesso em: 22 jan. 2018.

BARROSO, T.. Gênero textual como objeto de ensino: uma proposta de didatização de gêneros do argumentar. Signum: Estudos da Linguagem, v. 14, p. 135-156, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. PNLD 2017: língua estrangeira moderna: espanhol (FNDE). Brasília, DF: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2016.

GEDOZ, Sueli; COSTA-HÜBES, Terezinha da Conceição. Concepção sociointeracionista da linguagem:percurso histórico e contribuições para um novo olhar sobre o texto. Revista Trama (UNIOESTE), v. 8, p. 125-138, 2012.

COSTA-HÜBES, Terezinha da Conceição. Reflexões teórico-metodológicas para o trabalho com os gêneros textuais nas aulas de língua portuguesa. In: V SIGET ? Simpósio Internacional de Estudos de Gêneros Textuais: o ensino em foco., 2009, Caxias do Sul - RS. Anais... SIGET. Caxias do Sul: UCS, 2009. v. 1.

JOUVE, Vicent. Por que estudar literatura? São Paulo: Parábola, 2012.

CELANI, Maria Antonieta. Questões de ética em Linguística Aplicada. Linguagem & Ensino, São Paulo, v. 8, n. 1, 2005, p. 101-112.

MEIRELES, Adélia Deus; CUNHA, Djanira do Espírito Santo Lopes ; MACIEL, Emanoela Moreira . Estudo De Caso Na Pesquisa Qualitativa Em Educação: Uma Metodologia. In: VI Encontro De Pesquisa Em Educação, 2010, Teresina: Edufpi, 2010.

OLIVEIRA, Cristiano Lessa. Um apanhado teórico-conceitual sobre a pesquisa qualitativa: tipos, técnicas e características. Travessias (UNIOESTE), 2009.

SANTOS, Joel Rufino dos. Quem ama literatura não estuda literatura: ensaios indisciplinados. Rio de Janeiro: Rocco, 2008.

SCHNEIDER, Maria Nilse. Abordagens de ensino e aprendizagem de línguas: comunicativa e intercultural. Contingentia, Curitiba, v. 5, n. 1, p.1-6, 28 mar. 2010. Anual. Disponível em: <http://seer.ufrgs.br/contingentia/article/view/13321/7601>. Acesso em: 22 jan. 2018.

TODOROV, Tzvetan. A literatura em perigo. Rio de Janeiro: DIFEL, 2010.

SOARES, Magda Becker. Alfabetização e letramento: caminhos e descaminhos. Pátio, Porto Alegre, v. 8, p. 18-22, 2004.

Publicado
2019-12-31