ALGUMAS REFLEXÕES CRÍTICAS ACERCA DAS AMBIVALÊNCIAS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO TEMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO NOVO ENSINO MÉDIO

Autores

  • Luís José Câmara Pedrosa SEDUC

DOI:

https://doi.org/10.18817/pef.v27i1.2947

Resumo

Os fundamentos pedagógicos dos documentos legais que tratam da inserção da Educação Ambiental nas propostas curriculares estão presentes na atual reforma educacional brasileira. Esses fundamentos foram inspirados em vários documentos transnacionais, entre os quais o relatório da Conferência Todos pela Educação, realizado em Jontiem, no ano de 1990. Uma década depois, o Estado do Maranhão seguiu esse movimento governamental para a implementação do tema Educação Ambiental em meio às ambivalências existentes no campo do conhecimento curricular. Com base em pesquisa de base bibliográfica e documental, com a análise das obras inauguradoras de uma epistemologia crítica orientada pelo Materialismo Histórico e de sua tradição pedagógica no pensamento das obras de Paulo Freire dos anos 90, este trabalho faz algumas reflexões críticas acerca da inserção da Política de Educação Ambiental na proposta curricular do Estado do Maranhão. Para tanto, a análise de conteúdo do documento da Política Estadual de Educação Ambiental do Maranhão, com ênfase na categoria currículo e suas implicações internas e externas. No entanto, nessa análise crítica observa-se um alinhamento da referida Legislação à razão subjetiva, na medida em que se desconsidera a complexidade da criação de uma nova organização curricular nas escolas públicas de ensino médio do Estado do Maranhão.

 

Palavras-chave: Proposta curricular, Educação Ambiental, Ensino Médio.

Biografia do Autor

Luís José Câmara Pedrosa, SEDUC

Comissão do Fórum Estadual de Educação Ambiental do Maranhão - SEDUC; Representante da SEDUC no CONSEMA; Assessor Técnico da Supervisão de Educação Profissional-SUEP/SEDUC-MA. Endereço: Rua Projetada Quadra B, Casa 10, bairro Jordoa. São Luís-MA.

Downloads

Publicado

2022-08-24