PROCESSOS DE LEGITIMAÇÃO DE UMA POÉTICA JUVENIL PARA ALÉM DO PAPEL: UMA LEITURA DE MURUNDUM, DE CHACAL

Autores

  • Érica Alessandra Paiva Rosa Universidade Estadual de Maringá (UEM) Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Letras, área de Estudos Literários

DOI:

https://doi.org/10.18817/rlj.v3i1.1914

Resumo

Este artigo promove uma leitura da obra Murundum (2012), do escritor brasileiro Chacal, buscando analisar os processos de legitimação de uma poética juvenil na atualidade. O trabalho discute os percursos da literatura como obra de arte e a formação de um campo específico da literatura juvenil por meio de Bourdieu (2007), além dos processos de legitimação desse campo a partir de Ferrier (2009). O trabalho também apresenta uma leitura do livro considerando o autor, o projeto editorial, a linguagem e as temáticas abordadas nos poemas. De acordo com as características identificadas em Murundum, nota-se uma tentativa de legitimar uma poética juvenil por meio da produção de um autor experiente e de uma obra com uma abordagem crítica de assuntos que influenciam no processo de amadurecimento dos leitores jovens.

Palavras-chave: Literatura Juvenil. Poesia Marginal. Indústria Cultural.

Biografia do Autor

Érica Alessandra Paiva Rosa, Universidade Estadual de Maringá (UEM) Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Letras, área de Estudos Literários

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Letras (UEM), área de Estudos Literários. Realiza pesquisas sobre literatura contemporânea com interesse em poesia e nas representações identitárias promovidas pela literatura.   

Referências

AMORIM, Galeno (org.) Retratos da leitura no Brasil. São Paulo: Imprensa Oficial – Instituto Pró-livro, 2008, 2. ed.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva. 2007, 6. ed.

CANDIDO, Antonio. Literatura e Sociedade. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2006.

CHACAL. Murundum. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

______. Uma história à margem. Rio de Janeiro: 7Letras, 2010.

FAILLA, Zoara (org.). Retratos da leitura no Brasil. Rio de Janeiro: Sextante, 2012, 3. ed.

______. Retratos da leitura no Brasil. Rio de Janeiro: Sextante, 2016, 4. ed.

FERRIER, Bertrand. Les processus de legitimation de la littérature pour la jeunesse: mécanisme, signes et limites. 2009. Disponível em: <http://litterature20.parissorbonne.fr/images/site/20091203_160212ferrier_litterature_jeunesse.pdf>. Acesso em: 25 set. 2018.

HORKHEIMER, Max; ADORNO, Theodor. A indústria cultural: o iluminismo como mistificação de massas. In: LIMA, Luiz Costa. Teoria da cultura de massa. São Paulo: Paz e Terra, 2002, p. 169-214.

INSTITUTO PRÓ LIVRO. O jovem não gosta de ler ou não foi seduzido para a leitura?, 2014. Disponível em: <http://prolivro.org.br/home/newsletter/noticias/7863-o-jovem-nao-gosta-de-ler-ou-nao-foi-seduzido-para-a-leitura>. Acesso em: 22 ago. 2018.

PAZ, Octávio. O Arco e a Lira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

PESSÔA, André V. et al. Chacal: “o resto é verso”. Entrevista. Fórum de Literatura Brasileira Contemporânea. Rio de Janeiro: UFRJ, Faculdade de Letras: Baluarte, 15, p. 153-159, jun. 2016.

WELLERSHOFF, Dieter. Literatura, mercado e indústria cultural. In: HUMBOLD. Hamburgo: 22: 44-8, 1970.

Downloads

Publicado

2019-08-15

Como Citar

PAIVA ROSA, Érica A. PROCESSOS DE LEGITIMAÇÃO DE UMA POÉTICA JUVENIL PARA ALÉM DO PAPEL: UMA LEITURA DE MURUNDUM, DE CHACAL. REVISTA DE LETRAS - JUÇARA, [S. l.], v. 3, n. 1, p. 194-213, 2019. DOI: 10.18817/rlj.v3i1.1914. Disponível em: https://ppg.revistas.uema.br/index.php/jucara/article/view/1914. Acesso em: 27 out. 2020.