DONA GUIDINHA DO POÇO, O ROMANCE QUE FOI E QUE PODIA NÃO TER SIDO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18817/rlj.v4i1.2301

Resumo

O presente texto objetiva trazer luz ao romance Dona Guidinha do Poço, do escritor cearense Manuel de Oliveira Paiva (1861-1892), que permaneceu praticamente desconhecido até 1950, quando Lúcia Miguel-Pereira descobriu alguns fragmentos dele nas páginas da Revista Brasileira. O volume foi publicado na íntegra apenas em 1952, pela editora Saraiva. O artigo, entre outros pontos, põe em relevo o modo pelo qual a narrativa figura a moral patriarcal típica da sociedade rural nordestina, de maneira avessa às ênfases sentimentais do romantismo.

Biografia do Autor

Roberto Acízelo de Souza, UERJ

Professor de Teoria da Literatura de 1977 a 2002 na Universidade Federal Fluminense, atualmente é professor titular de Literatura Brasileira da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Dedica-se à Literatura Brasileira e à Teoria da Literatura, com interesse especial na história e nos fundamentos conceituais dos estudos literários, bem como na historiografia da literatura brasileira. Mestre em Letras - Teoria da Literatura/UFRJ e doutor em Letras - Teoria da Literatura/ UFRJ, fez estudos de pós-doutorado na área de Literatura Brasileira/USP. 

Downloads

Publicado

2020-07-06

Como Citar

DE SOUZA, R. A. DONA GUIDINHA DO POÇO, O ROMANCE QUE FOI E QUE PODIA NÃO TER SIDO. REVISTA DE LETRAS - JUÇARA, [S. l.], v. 4, n. 1, p. 188-192, 2020. DOI: 10.18817/rlj.v4i1.2301. Disponível em: https://ppg.revistas.uema.br/index.php/jucara/article/view/2301. Acesso em: 2 dez. 2020.

Edição

Seção

Dossiê Temático