A PAISAGEM SONORA EM A FACE DO ABISMO.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18817/rlj.v4i02.2401

Resumo

Este artigo analisa a paisagem sonora no romance A Face do Abismo, de Charles Kiefer. A narrativa, traçada pela perspectiva de dois narradores diferentes, costura os 82 anos de existência de uma pequena cidade no interior do Rio Grande do Sul, colonizada por alemães, que some debaixo das águas após a construção de uma barragem. Por meio dos diferentes pontos de vista do texto, é possível verificar as transformações sonoras ocorridas no espaço e época da narrativa. O conceito de paisagem sonora utilizado para embasar esta análise provém dos estudos de Schafer (2011) e de Werlang (2011) e é utilizado para demonstrar a configuração da paisagem sonora no romance.

Biografia do Autor

Viviane Aparecida Pandolfo Debortoli, UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA

Mestre em Letras pela Universidade Federal de Santa Maria. Professora efetiva na rede estadual do Rio Grande do Sul.

Gérson Luís Werlang, Universidade Federal de Santa Maria

Doutor em Letras pela Universidade Federal de Santa Maria – Brasil. Realizou estágio pós-doutoral em Educação Musical na Universidade Federal de Santa Maria – Brasil. Professor do Departamento de Música, da Pós-Graduação em Música e do Programa de Pós-Graduação em Letras da UFSM. Doutor em Letras e Mestre em Música.

Downloads

Publicado

2021-01-10

Como Citar

VIVIANE APARECIDA PANDOLFO DEBORTOLI; GÉRSON LUÍS WERLANG. A PAISAGEM SONORA EM A FACE DO ABISMO. REVISTA DE LETRAS - JUÇARA, [S. l.], v. 4, n. 02, p. 150-168, 2021. DOI: 10.18817/rlj.v4i02.2401. Disponível em: https://ppg.revistas.uema.br/index.php/jucara/article/view/2401. Acesso em: 17 abr. 2021.