O POEMA MORRE NO MUNDO: UMA ABORDAGEM DOS RECURSOS LÉXICO-SEMÂNTICOS NA OBRA POÉTICA DE SILVANA MENESES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18817/rlj.v5i2.2691

Resumo

Ao construir um texto de teor literário, o autor lança mão de diversos artifícios fornecidos pela língua, de modo a tornar o texto mais expressivo e convidativo. Uma obra adquire feição plural ao ser lapidada em uma perspectiva estética, sensibilizando e cativando potenciais leitores. Dentre esses mecanismos linguísticos, destaca-se o uso feito do léxico que, aliado ao aspecto semântico, possibilita interpretações múltiplas. Desse modo, recorrendo à corrente teórica da estilística, o presente artigo se propõe a analisar os recursos linguístico-expressivos manifestos na produção poética da escritora maranhense Silvana Lourença de Meneses, com foco nos aspectos léxico-semânticos. O estudo encontra-se fundamentado nos trabalhos de Guiraud (1970), Lapa (1998), Monteiro (2009), Rocha (2014, entre outros. A pesquisa selecionou, na obra Embarcação (1988), da referida autora, textos em que se percebe o uso de recursos expressivos de caráter léxico-semânticos na construção dos poemas. Dessarte, tendo como objeto de reflexão tais produções, o estudo evidencia que o uso feito por Meneses explora o potencial linguístico contido no léxico, abarcando também o aspecto semântico.

Biografia do Autor

Max Mateus Moura da Silva, Universidade Estadual do Maranhão, campus Caxias

Acadêmico do Curso de Letras – Português, Inglês e suas Respectivas Literaturas – CESC/UEMA. Bolsista do PIVIC/UEMA.

Marinalva Aguiar Teixeira Rocha, Universidade Estadual do Maranhão, Campus Caxias

Professora Adjunta do Departamento de Letras do CESC/UEMA. Doutora em História – UNISINOS/RS; Mestre em Letras - UERJ.

Downloads

Publicado

2021-12-22

Como Citar

SILVA, M. M. M. da; ROCHA, M. A. T. . O POEMA MORRE NO MUNDO: UMA ABORDAGEM DOS RECURSOS LÉXICO-SEMÂNTICOS NA OBRA POÉTICA DE SILVANA MENESES. REVISTA DE LETRAS - JUÇARA, [S. l.], v. 5, n. 2, p. 177-188, 2021. DOI: 10.18817/rlj.v5i2.2691. Disponível em: https://ppg.revistas.uema.br/index.php/jucara/article/view/2691. Acesso em: 6 jul. 2022.