A ABORDAGEM MÍTICA EM O CONQUISTADOR DE ALMEIDA FARIA – POR QUE FALAR DE SEBASTIANISMO?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18817/rlj.v6i1.2802

Resumo

O presente artigo pretende realizar um panorama da evolução do Mito Sebastianista em Portugal, aplicado à análise da sua abordagem na obra O Conquistador (1990) de Almeida Faria, na qual presenciamos uma aproximação entre o protagonista e a entidade mítica. O mito em questão representa a espera do salvador predestinado, o qual, após a batalha de Alcácer Quibir (1578), passa a ser corporificado pelo rei Dom Sebastião, desaparecido no combate. Nesse sentido, O Conquistador apresenta o percurso de vida da personagem Sebastião de forma que esta esteja constantemente relacionada à personagem histórica, utilizando, para isso, semelhanças e contrapontos. O intuito da narrativa de Almeida Faria não é igualar as duas personagens, valorizando o mito, mas construir pontos de ligação que sugiram a possível reencarnação de Dom Sebastião de uma maneira paródica, a ponto de dessacralizar o mito sebastianista. Ao longo da narrativa, Sebastião passa a apresentar a sua biografia, dando corpo ao paralelo entre a personagem e a figura mítica, imaginário histórico-social da nação portuguesa. Destacamos, entre os eventos narrativos analisados, o nascimento da personagem, ocorrido em circunstâncias míticas; a apresentação de coincidências relativas à família e características físicas e psicológicas de Sebastião; e, por fim, a categoria do grotesco, marcante na descrição de seus sonhos e da sua "excepcional" sexualidade. Notamos, com isso, que o paralelo realizado na obra contribui para a aproximação com o mito do rei português, mas, principalmente, para a desconstrução da imagem idealizada que lhe é, normalmente, conferida.

Biografia do Autor

Nilza Mara Pereira, Universidade Federal de Santa Maria

Possui graduação em Letras, Habilitação Português e
Literatura (2003), e mestrado em Estudos Literários (2006)
pela Universidade Federal de Santa (UFSM). Atualmente,
atua como Técnica Administrativa em Educação, cargo de
Secretária Executiva na mesma universidade. Está
matriculada na categoria de aluno especial no Programa de
Pós-Graduação em Letras – PPGL/UFSM.

Downloads

Publicado

2022-07-28

Como Citar

PEREIRA, N. M. A ABORDAGEM MÍTICA EM O CONQUISTADOR DE ALMEIDA FARIA – POR QUE FALAR DE SEBASTIANISMO?. REVISTA DE LETRAS - JUÇARA, [S. l.], v. 6, n. 1, p. 269-283, 2022. DOI: 10.18817/rlj.v6i1.2802. Disponível em: https://ppg.revistas.uema.br/index.php/jucara/article/view/2802. Acesso em: 28 set. 2022.