ENTRE A FICÇÃO E A TRADIÇÃO: A CONFIGURAÇÃO DA CULTURA COMO ESPAÇO DE MEMÓRIA EM RECLUSOS DO TEMPO, DE ALEX DAU

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18817/rlj.v6i1.2821

Resumo

Este texto assenta-se em fazer um estudo sobre a configuração da cultura como espaço de memória, procurando problematizar como se processa a imbricação entre a ficção e a tradição na obra Reclusos do Tempo (2017), do escritor moçambicano Alex Dau. Com base em pressupostos da teoria decolonial, esta pesquisa visa interpretar as imagens e os aspectos fundamentais ínsitos nos contos de Alex Dau, a partir das marcas de moçambicanidade, mostrando até que ponto, com base em temáticas de cariz social e cultural, a narrativa Reclusos do Tempo espelha valores estéticos que configuram o imaginário cultural de Moçambique. Com recurso ao metodo bibliográfico, concebemos a base teórica que sustenta a análise literária encetada, porquanto foi possível demonstrar, por conseguinte, os elementos simbólicos de que o autor se serve para a expressão da identidade moçambicana.

Palavras-chave: Imaginário cultural; Espaço de memória; Tradição; Moçambicanidade.

Biografia do Autor

Juma Manuel, Universidade Pungue

Mestre em Literaturas Africanas de Língua Portuguesa
Doutorando em Literaturas e interfaces, no Programa de
Pós-Graduação em Letras: Linguagens e Representações
da Universidade Estadual de Santa Cruz, Brasil.
Bolsista pela CAPES, 2022

Cherita Lapissone, Universidade Púnguè

Graduada em Ensino de Português, pela Universidade Púnguè, Moçambique.

Downloads

Publicado

2022-07-28

Como Citar

MANUEL, J.; LAPISSONE, C. ENTRE A FICÇÃO E A TRADIÇÃO: A CONFIGURAÇÃO DA CULTURA COMO ESPAÇO DE MEMÓRIA EM RECLUSOS DO TEMPO, DE ALEX DAU . REVISTA DE LETRAS - JUÇARA, [S. l.], v. 6, n. 1, p. 334-344, 2022. DOI: 10.18817/rlj.v6i1.2821. Disponível em: https://ppg.revistas.uema.br/index.php/jucara/article/view/2821. Acesso em: 16 ago. 2022.