INFÂNCIAS APRISIONADAS NOS LABIRINTOS DO TEMPO EM AS MENINAS, DE LYGIA FAGUNDES TELLES E SINFONIA EM BRANCO, DE ADRIANA LISBOA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18817/rlj.v6i1.2837

Resumo

Ana Clara, personagem de Lygia Fagundes Telles, em As Meninas, e Clarice, personagem de Adriana Lisboa, em Sinfonia em branco, compartilham experiências traumáticas semelhantes: ambas foram violentadas sexualmente na infância. Tendo em vista a incessante rememoração do tempo traumático pelas personagens, busca-se compreender, por meio de uma análise comparativa, de que modo os aspectos temporais constituem as personagens, bem como particularizam-nas, por meio de sua representação narrativa. O trabalho apoia-se nas pesquisas de Cathy Caruth sobre o trauma, assim como nos estudos sobre trauma e memória, de Márcio Seligmann-Silva

Biografia do Autor

Vanessa Annecchini Schimid, UFF

Doutoranda em Literatura Comparada, na Universidade
Federal Fluminense (UFF). Mestre em Letras pela
Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), com dupla
titulação pela Università CaFoscari, Venezia. Licenciada em
Português-Literatura pela Universidade Federal do Espírito
Santo. Atualmente é professora de Produção de Texto e
Literatura Portuguesa, no Centro de Ensino Superior de
Vitória (CESV).

Downloads

Publicado

2022-07-28

Como Citar

ANNECCHINI SCHIMID, V. INFÂNCIAS APRISIONADAS NOS LABIRINTOS DO TEMPO EM AS MENINAS, DE LYGIA FAGUNDES TELLES E SINFONIA EM BRANCO, DE ADRIANA LISBOA. REVISTA DE LETRAS - JUÇARA, [S. l.], v. 6, n. 1, p. 464-481, 2022. DOI: 10.18817/rlj.v6i1.2837. Disponível em: https://ppg.revistas.uema.br/index.php/jucara/article/view/2837. Acesso em: 16 ago. 2022.