Entre a Sefarad e Al Andaluz: Coexistências e Dissensões no Islã Ibérico a partir do século VIII.

Palavras-chave: Formações sociais em Al Andaluz, Hispanismo e mitos historiográficos, Califado Omíada, Interações Culturais, Moçárabes e Judeus,

Resumo

Temos por objetivo analisar os impactos da entrada dos exércitos muçulmanos de origens omíada, persa, síria e berbere em território ibérico, em suas expansões a partir de 711. Neste contexto, refletiremos sobre a formação social do mundo islâmico durante os processos migratórios, e suas interações e contrastes com as populações cristianizadas de origem visigoda (moçárabes) e as comunidades judaicas das aljamas (sefaradim). Dessa forma, tomamos como questão central o processo de construções historiográficas que vão desde o mito da “unidade hispânica”, aos usos teoréticos do axioma da “Espanha das três religiões”, identificando-se estratégias culturais e políticas de consolidação da presença islâmica sob regime califal. Suas peculiaridades fizeram de Al Andaluz, e posteriormente, do Emirado de Córdoba, loci diferenciados de estudo sobre os mundos árabe e muçulmano do Mediterrâneo medieval.

Biografia do Autor

Renata Rozental Sancovsky, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
- Docente do Departamento de História e Relações Internacionais da UFRRJ. Área de Antiguidade e Alta Idade Média. - Docente do Programa de Pós-Graduação em História da UFRRJ - PPHR; - Docente Colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Ciência das Religiões (PPGCIR) da Universidade Federal de Sergipe. - Doutora em História Social pela USP - Pós-Doutora em Arqueologia pelo Museu Nacional da UFRJ - Coordenadora Bolsista CAPES do Projeto História-Seropédica do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID; - Pesquisadora dos seguintes laboratórios cadastrados no CNPq: PLURALITAS (Membro fundador) - www.pluralitas.webs.com LHER - UFRJ - Lab. de História das Experiências Religiosas (Grupo Jesus Histórico e sua Recepção) Inquisição e Nazismo (USP)
Publicado
2017-10-10