Just Like Don Quixotes Blues Again: an outsiders view of Celtic Studies in Brazil

Eoin Paul O'Neill

Resumo


In this paper, I draw on my own personal experience to critically examine Celtic Studies in Brazil. Although the Celtic area appears to be going through somewhat of a boom in Brazil at present, this does not always translate happily for scholars in the area. Amongst the reasons for this is the rise of what I call a Celtomaníaco discourse, a very broad, romantic, and ahistorical way of discussing the Celts. There is thus a need to clarify what is actually meant by Celtic, as the term has had various meanings, and also to historicise the Celts, to show how have the different Celtic groups changed over time. After this, again drawing on my personal experience, I look at some of the institutional difficulties faced by the area of Celtic Studies in Brazil. Finally, I close the article on a positive note, trying to map out some possible steps that could be taken to build a better and more solid future path for Celtic Studies in Brazil.

Neste trabalho parto da minha experiência pessoal para fazer uma análise crítica dos Estudos Célticos no Brasil. Apesar da área parecer florescente, isto não necessariamente se traduz numa situação favorável para os estudiosos do assunto no país. Entre os motivos, pode-se apontar um crescimento do que chamo discurso celtomaníaco, uma abordagem generalista, romântica e a-histórica dos celtas. Destaco a importância de esclarecer o que se entende por célitco, na medida em que o termo teve diversos significados ao longo do tempo, bem como de historicizá-los, associando-os às mudanças dos diversos grupos celtas. Em seguida, novamente a partir da minha experiência pessoal, detenho-me sobre algumas dificuldades institucionais que atrapalham o fortalecimento da área de Estudos Célticos no Brasil. Encerro num tom mais leve, sugerindo passos para construir uma base melhor e mais sólida para os Estudos Célticos no Brasil.

Palavras-chave


Celtic Studies; Gaelic Ireland; Gaelic History

Texto completo:

PDF


Brathair 2017 Esta revista recebe o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (FAPEMA)