Paganismo e Cristianismo no Poema Beowulf

João Bittencourt de Oliveira

Resumo


Resumo
O poema épico Beowulf é considerado a mais antiga epopeia sobrevivente em qualquer outra língua europeia. É também o mais extenso fragmento da literatura de imaginação em inglês antigo ou anglo-saxão e foi composto durante o século VII ou VIII por um talentoso poeta anônimo anglo, provavelmente um monge ou clérigo, que conseguiu mesclar fatos da história escandinava e mitologia pagã com elementos cristãos. O poema se refere a acontecimentos semi-históricos de um passado distante que pode ser datado do ano 520 aproximadamente, já que muitas pessoas citadas nos são conhecidas de outras fontes; fala dos reis e heróis escandinavos e de suas contendas. A ação envolve não somente os Anglo-Saxões, mas também algumas tribos do norte, principalmente os Suiões, os Getas, os Frísios e os Daneses. O poema, entretanto, é genuinamente inglês em espírito: ele nos mostra cenas da vida real, não da Escandinávia do século VI, mas da Inglaterra do século VII ou VIII. Através da história, a figura nobre e impressionante de Beowulf representa de maneira clara o ideal heroico anglo-saxônico de bravura, generosidade e coragem; nele, o fatalismo pagão ou o destino está engenhosamente harmonizado com as qualidades cristãs. O presente trabalho é uma tentativa de examinar a combinação entre os conceitos pagãos e o Cristianismo demonstrados em Beowulf.
Palavras-chave: Beowulf; Cristianismo e Paganismo; Epopéia Anglo-Saxônica

Abstract
The epic poem Beowulf is generally considered the oldest surviving epic in any other European language. It is also the longest piece of imaginative literature in Old English or Old Saxon and was composed during the seventh or eighth century by a gifted anonymous Anglian poet, probably a monk or a cleric, who succeeded in fusing Scandinavian history and pagan mythology with Christian elements. The poem refers to semi-historical events from a distant past which can be dated roughly to 520, since many of the persons referred to are known to us from other sources; it tells of Scandinavian kings and heroes and their feuds. The action involves not only Anglo-Saxons but also a few northern tribes, mainly Swedes, Geats, Frisians, and Danes. The poem, however, is genuinely English in spirit: it shows us scenes of real life, not in the 6th century Scandinavia, but in 7th or 8th century England. Through the story, the impressive and noble figure of Beowulf clearly represents the Anglo-Saxon heroic ideal of fighting prowess, generosity, and courage; in him, pagan fatalism or destiny is subtly harmonized with Christian qualities. The present paper is an attempt to examine the combination between pagan concepts and Christianity demonstrated in Beowulf.
Keywords: Beowulf; Paganism and Christianity; Anglo-Saxon Epics

Palavras-chave


Beowulf; Cristianismo e Paganismo; Epopéia Anglo-Saxônica

Texto completo:

PDF


Brathair 2017 Esta revista recebe o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (FAPEMA)