O LUGAR DE MEMÓRIA E A CONSTITUIÇÃO IDENTITÁRIA: UMA ANÁLISE DO CONTO O CORTEIRO, DE SALMAN RUSHDIE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18817/rlj.v6i1.2834

Resumo

O trabalho tem por objetivo apresentar o conto O corteiro, de Salman Rushdie como lugar de memória, e discutir como a literatura desse autor indiano, de maneira geral, pode ser entendida como tal. Ademais será discutida a importância de se entender a literatura do autor como capaz de criar lugares de memória frente aos deslocamentos de identidade percebidos atualmente. No caso do conto em estudo, o escritor dá voz a um narrador personagem que se vale de suas memórias coletivas e individuais para evocar lembranças de um passado como imigrante em Londres. As análises se valerão de inferências textuais que levam à compreensão dessa narrativa como um lugar de memória que resvalam nos aspectos identitários dos personagens. Para auxiliar neste entendimento as bases teóricas escolhidas foram, principalmente, os estudos de Halbwachs (1990) e sua compreensão de memórias coletivas, as noçãos de Nora (1993) sobre a questão do lugar da memória. Ademais, os estudos de Hall (2006) e Said (1990) no que concernem aos aspectos das construções identitárias serão analisados.

Palavras-chave: Identidade; Lugar de memória; Memória individual; Memória coletiva;

Biografia do Autor

Vitor Martins Vilela, UFU

Graduado do Curso de Letras habilitação em Inglês e Literaturas de Língua Inglesa pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), mestrando do Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários (PPLET) da UFU, linha de pesquisa: Literatura, memória e identidades

Downloads

Publicado

2022-07-28

Como Citar

MARTINS VILELA, V. O LUGAR DE MEMÓRIA E A CONSTITUIÇÃO IDENTITÁRIA: UMA ANÁLISE DO CONTO O CORTEIRO, DE SALMAN RUSHDIE. REVISTA DE LETRAS - JUÇARA, [S. l.], v. 6, n. 1, p. 430-443, 2022. DOI: 10.18817/rlj.v6i1.2834. Disponível em: https://ppg.revistas.uema.br/index.php/jucara/article/view/2834. Acesso em: 16 ago. 2022.