OFICINAS DE POESIA EM RIO GRANDE: O FAZER POÉTICO COMO APRENDIZADO

Autores

  • Cláudia Beatriz Pio Borges Universidade Federal do Rio Grande
  • Rosane Maria Cardoso Universidade Federal do Rio Grande/FURG -Instituto de Letras e Artes/IL

DOI:

https://doi.org/10.18817/rlj.v6i3.2987

Resumo

O presente artigo apresenta um relato de experiências proporcionadas pela realização de  oficinas de poesia ministradas pela autora em Rio Grande (RS). Objetiva-se ressaltar o aprendizado adquirido ao longo da preparação, apresentação e realização dos trabalhos, a partir de um projeto que surgiu no meio acadêmico e foi apresentado à comunidade, em um movimento comunidade-academia (PRZYBYLSKI, 2018). Outrossim, quer-se refletir acerca das ideias que levaram à realização da ação, seu planejamento, bem como o aprendizado com a narrativa dos participantes e o retorno das poesias criadas nas oficinas através da publicação dos poemas em página da Internet, entendendo-os como escritores e narradores urbano-digitais (PRZYBYLSKI, 2018). Nesse sentido, salienta-se a importância dos estudos decoloniais, a partir de Santos (2009), 2004), Quijano (2005), entre outros e outras que comprovem a necessidade de termos um olhar mais apurado e crítico para com a nossa produção e de nossos poetas periféricos.

Biografia do Autor

Rosane Maria Cardoso, Universidade Federal do Rio Grande/FURG -Instituto de Letras e Artes/IL

Doutora em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2002), com pós-doutorado pela Universidade de Granada/Espanha. Atualmente, é professora-visitante da Universidade Federal do Rio Grande/FURG e professora-colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Letras da UNISC. Como pesquisadora, trabalha com os temas: Memória e violência na narrativa latino-americana contemporânea e com literatura infantil e juvenil em língua espanhola.

Downloads

Publicado

2022-10-13

Como Citar

PIO BORGES, C. B.; MARIA CARDOSO, R. . OFICINAS DE POESIA EM RIO GRANDE: O FAZER POÉTICO COMO APRENDIZADO. REVISTA DE LETRAS - JUÇARA, [S. l.], v. 6, n. 3, p. 37-50, 2022. DOI: 10.18817/rlj.v6i3.2987. Disponível em: https://ppg.revistas.uema.br/index.php/jucara/article/view/2987. Acesso em: 28 nov. 2022.