LITERATURA ENTRANHADA DE MULHERES NEGRAS (DES)ENRAIZADAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18817/rlj.v6i3.2998

Resumo

 

Resumo: Esse texto pensa o encontro literário entre Françoise Ega (1920 - 1976) e Carolina Maria de Jesus (1914/1919/1921-1977). Ambas escritoras negras que encontraram na literatura um espaço para imaginar, curar, transmutar e tecer percursos possíveis em seus processos diaspóricos. Seja a martinicana Ega escrevendo em Marseille, seja a minera Carolina situada em São Paulo, em seus respectivos espaços distantes de onde viveram até a adolescência, formularam e nutriram seus textos-raízes não apenas como um retorno às suas origens, mas também como fomento e recomposição de novos enraizamentos. Ega, expande e entranha suas palavras-linhas até o Brasil reconhecendo em Carolina um espelho de onde brota memórias em suas missivas, jamais lidas pela autora brasileira, mas, no entanto, encontrou na atual recepção a constatação de que persistem as “misérias dos pobres do mundo inteiro (que) se parecem como irmãs”.

Palavras-chave: Carolina Maria de Jesus; Françoise Ega; Literatura negra; diáspora; missiva;

Biografia do Autor

Raffaella Andrea Fernandez, UNILA

Raffaella Andrea Fernandez (UNILA) é pós-doutora em Estudos Culturais pela UFRJ (2021), autora de A poética de resíduos de Carolina de Jesus, resultado de sua pesquisa de doutorado em Teoria e História da Literatura pela Universidade de Campinas (Unicamp). Organizou os quatro últimos livros de Carolina intitulados onde estaes felicidade? (2014), Meu sonho é escrever (2018), Clíris (2019) e Casa de alvenaria (2021). Atualmente compõe o conselho editorial da Companhia  das Letras que está organizando a obra completa de Carolina Maria de Jesus e coordena o Grupo de pesquisa Decoloniais Carolina (CNPq).

Downloads

Publicado

2022-10-13

Como Citar

FERNANDEZ, R. . A. LITERATURA ENTRANHADA DE MULHERES NEGRAS (DES)ENRAIZADAS . REVISTA DE LETRAS - JUÇARA, [S. l.], v. 6, n. 3, p. 101-112, 2022. DOI: 10.18817/rlj.v6i3.2998. Disponível em: https://ppg.revistas.uema.br/index.php/jucara/article/view/2998. Acesso em: 28 nov. 2022.