Edições anteriores

  • RECORTES DO SEMIÁRIDO DO NORDESTE BRASILEIRO
    v. 26 n. 01 (2022)

    Um novo número da Revista Ciência Geográfica, desta feita o n°1/2022, volume XXVI, está à disposição da comunidade geográfica brasileira e alhures. Há mais de vinte e sete anos, a Associação de Geógrafos Brasileiros (AGB), Seção Bauru, vem realizando a hercúlea, mas gratificante, tarefa de produzir, divulgar e popularizar o conhecimento geográfico elaborado no Brasil e em terras outras do planeta. O leitor irá entrar em contato, neste número, com trinta artigos que se encontram distribuídos em dois eixos fundamentais. São mais de quinhentas e oitenta páginas que abordam científica e verticalmente tantos temas fascinantes e motivadores da Geografia. O primeiro eixo volta-se inteiramente à Análise Regional, um dos pilares da Geografia, de uma importante macrorregião brasileira, o Nordeste. O segundo contempla temas de expressiva importância de Geografia Geral, retomando, assim, a divisão da Geografia Clássica, que permanece salutar, sobretudo para o processo ensino e aprendizagem da “Ciência de Humboldt”, sem que se desconstrua, sob nenhuma hipótese, o aforismo “A Geografia é uma só”! Em treze artigos, redigidos a convite dos editores da Revista Ciência Geográfica, esquadrinham-se temas de natureza eminentemente geográfica que estão presentes em áreas individualizadas, paisagens singulares, de uma “Região de contrastes”, parafraseando aqui, com a devida vênia, o que afirmou o geógrafo nordestino Manuel Correia de Andrade. O Nordeste brasileiro, com seus mais de 1.600.000 km², pleno de contrastes físicos, sociais e econômicos constitui-se de realidades que fascinam autores das mais diversas formações acadêmicas. Desde ou até bem antes de Euclides da Cunha, pesquisadores estudaram e continuam estudando esse espaço regional, a partir de óticas metodológicas, ideológicas, políticas e com o emprego das mais diferentes técnicas. Impossível esgotar a análise desse espaço regional no qual teve início a colonização da Terra Brasilis.
    A estruturação natural de paisagens da Zona da Mata pernambucana, padrões de relevo no Cariri Pernambucano, Dinâmica Geoambiental do espaço agrário do Brejo Paraibano, Desertificação no semiárido sergipano, Agroecossistemas familiares e Energias renováveis são alguns dos temas presenteados, nesse eixo, ao leitor interessado em melhor compreender a dinâmica do espaço nordestino brasileiro. Espera-se que este número da Revista Ciência Geográfica seja útil à práxis de estudantes, professores de Geografia da educação básica superior e geógrafos, e os auxilie a uma melhor compreensão da realidade para que se possa transformá-la, beneficiando toda a sociedade brasileira.
    Prof. Dr. Lucivânio Jatobá
    Departamento de Geografi a - UFPE